sábado, 31 de outubro de 2009

Memorial Cruz e Souza começa a ser construído


Na segunda-feira, 26 de outubro, as obras do Memorial Cruz e Souza começaram no terreno do Museu Histórico de Santa Catarina - Palácio Cruz e Souza, no Centro de Florianópolis. O espaço ocupará uma área de 280 metros quadrados e é uma iniciativa da Fundação Catarinense de Cultura (FCC). Além de um local para abrigar a urna mortuária do poeta simbolista, o espaço contemplará uma sala de leitura, uma biblioteca de autores catarinenses e uma pequena cafeteria, podendo abrigar lançamentos e saraus literários.

A obra está orçada em R$ 264.133,33 e o valor será pago pelo Governo do Estado com recursos provenientes do Funcultural. A Múltipla – Consultoria e Engenharia LTDA foi a vencedora do edital de licitação com modalidade menor preço. O prazo de execução das obras é de 128 dias. Durante a primeira fase da construção, o acesso do público ao Jardim do museu estará impedido. Os portões serão abertos apenas para eventos programados, como o Projeto Sexta no Jardim. As exposições permanecem acontecendo normalmente.

Com a transferência dos restos mortais de João da Cruz e Sousa do cemitério São Francisco Xavier, no Rio de Janeiro, para Florianópolis, em novembro de 2007, a escolha de um local para abrigar um memorial em sua homenagem logo recaiu sobre o Palácio Cruz e Sousa. Tombado como patrimônio histórico do Estado em 1984, o edifício sede do Museu Histórico de Santa Catarina recebeu este nome em 1979, em homenagem ao poeta simbolista nascido em Desterro. A edificação do memorial será integrada ao atual desenho dos jardins revitalizados do antigo palácio, compondo o conjunto de forma harmônica e complementar.

Nascido em Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis), João da Cruz e Sousa (1861-1898) foi um dos precursores do simbolismo no Brasil. Filho de negros alforriados, desde pequeno recebeu a tutela e uma educação refinada de seu ex-senhor, o Marechal Guilherme Xavier de Sousa, de quem adotou o nome de família. Aprendeu francês, latim e grego.

Em 1881, dirigiu o jornal Tribuna Popular, no qual combateu a escravidão e o preconceito racial. Em 1885 lançou o primeiro livro, Tropos e Fantasias em parceria com Virgílio Várzea. Cinco anos depois foi para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como arquivista na Estrada de Ferro Central do Brasil, colaborando também com o jornal Folha Popular.

Em fevereiro de 1893, publica Missal (prosa poética) e em agosto, Broquéis (poesia), dando início ao Simbolismo no Brasil que se estende até 1922. Em novembro desse mesmo ano casou-se com Gavita Gonçalves, também negra, com quem tem quatro filhos, todos mortos prematuramente por tuberculose, levando-a à loucura.

Faleceu no município mineiro de Antônio Carlos, num povoado chamado Estação do Sítio, para onde fôra transportado às pressas vencido pela tuberculose. Teve o seu corpo transportado para o Rio de Janeiro em um vagão destinado ao transporte de cavalos. Foi integrante da Academia Catarinense de Letras, de cuja cadeira 15 é patrono.

Nenhum comentário:

Destaques

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...