quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Led Zeppelin – Houses Of The Holy


Em 1973, o Led Zeppelin estava no auge. Havia lançado o seu aclamado quarto disco com o mega-hit “Stairway to Heaven” e não havia banda mais idolatrada. Mas a vida tem que seguir em frente e o grupo, formado por Robert Plant, vocal; Jimmy Page, guitarra; John Paul Jones, baixo e órgão; e John Bonham, bateria, precisava mostrar mais canções. Assim surgiu “Houses Of The Holy”, com oito competentes composições.

O álbum abre com o impulso de guitarra e bateria em “The Song Remains The Same”, música título do filme do Led Zeppelin, traduzido pessimamente para “Rock É Rock Mesmo”. A apresentação, que faz parte da película, foi gravada no Madison Square Garden, em Nova York, EUA, em 1973; mas chegou aos cinemas somente em 1976. Foi ainda lançado em VHS em 1990 e já está disponível em DVD, inclusive em uma versão completa, nas lojas desde novembro de 2008.

Depois do rockão de “The Song Remains The Same”, o disco “Houses Of The Holy” apresenta a linda “The Rain Song”. Um épico de sete minutos de duração com um início calmo em voz e violão, com direito a violino e violoncelo, e um final mais rock. No DVD em questão, nesta música, Robert Plant personifica um cavaleiro medieval em busca de sua amada. Para consegui-la ele enfrenta perigos e inimigos. Um grande momento de uma grande banda de rock.

A veia campeira européia destes ingleses fica escancarada em “Over The Hills And Far Away”. Jimmy Page demonstra toda a sua habilidade em criar belas canções no violão no começo da faixa. Depois, bateria, baixo e guitarra entram para completar uma boa canção rock. “The Crunge” traz uma batida funky, com baixo sincopado, em que o Led Zeppelin mostra sua versatilidade.

As distorções de guitarra tomam conta de “Dancing Days”, apesar do som sujo, a faixa conta com um ritmo mais cadenciado. “D’yer Mak’er” é uma faixa mais reggae, com uma letra bem simples. Apesar do reggae, não se esqueça que é uma música do Led Zeppelin e, portanto, não falta alguma distorção e o som da bateria marcante de Bonham. “D’yer Mak’er” sofreu uma versão do grupo de axé Babado Novo, quando os baianos ainda tinham Claudia Leitte como vocalista.

O uso de sintetizadores é bem forte em “No Quarter”, música incluída no DVD de 1976. O responsável por essa diferente sonoridade é John Paul Jones. No vídeo, este é o momento do tecladista, que se transporta para uma idade antiga e toca um imenso órgão. A voz de Robert Plant também sofre alterações a partir de efeitos. O Led Zeppelin fecha seu quinto álbum com o rock cadenciado “The Ocean”, utilizado pelo Planet Hemp, de Marcelo D2 e companhia, como base para “Adoled” do disco “Os Cães Ladram Mas A Caravana Não Pára”, de 1996.

Apesar de já terem lançado três discos antes do mega sucesso de “Stairway To Heaven”, com “Houses Of The Holy” o Led Zeppelin mostrou que ainda tinha fôlego para criar mais. Se bem que isso é uma coisa que eles não precisam mostrar para ninguém.


Nota 9


Músicas de “Houses Of The Holy”

1. The Song Remains The Same
2. The Rain Song
3. Over The Hills And Far Away
4. The Crunge
5. Dancing Days
6. D’yer Mak’er
7. No Quarter
8. The Ocean

Nenhum comentário:

Destaques

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...