quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Moptop (2006)

No geral, o rock brasileiro atual anda mal das pernas. São poucas bandas boas que se destacam do emaranhado e conturbado mundo digital. Entre estes artistas que não deixam as coisas desandarem de vez está a banda, do Rio de Janeiro, Moptop. Formada por Gabriel Marques, Rodrigo Curi, Daniel Campos e Mário Mamede, eles apresentam um novo rock com influências claras de Strokes e Franz Ferdinand.

Foi isto que o grupo trouxe no disco auto-intitulado de 2006, o primeiro por uma grande gravadora. Apesar das boas músicas e de ter recebido uma ajudinha da MTV com participação no especial “MTV Ao Vivo 5 Bandas de Rock”, ao lado de Fresno, NX Zero, Hateen e Forfun, em 2007, os cariocas não conseguiram estourar, como ocorreu com o NX Zero.

O Moptop faz um rock nem tão pesado e nem tão leve. Não há baladas românticas nem grosserias extremas. Isso já fica bem claro em “Uma Chance”, faixa de abertura do disco “Moptop”. “Não me peça pra manter a calma. Não tente me impedir” avisa desde o início o vocalista Gabriel Marques. A banda também passa um semblante mais sóbrio ao estilo de artistas europeus como Coldplay ou Franz Ferdinand.

Esse olhar para a Europa surge sonoramente em “Paris”, bem ao estilo do Franz Ferdinand. O primeiro single do Moptop foi “O Rock Acabou”, em 2006, numa época que realmente a impressão que se tinha era que o estilo estava perdido. Não surgiam grandes novidades no mundo musical. O CPM 22 estava em baixa, posição que continua até hoje, e o NX Zero ainda não havia estourado.

O mesmo som de guitarra distorcida sincopada, que lembra o Franz Ferdinand, volta em “Ninguém Pra Te Esquecer”. A influência do primeiro álbum dos Strokes, “This Is It”, de 2001, fica claro em “Bem Melhor”. “Moonrock” já havia sido lançado em um EP independente, em 2005, e segue bem a linha do disco. Um riff, que lembra de longe algo como os australianos do Jet, faz parte de “Sempre Igual”, o segundo single do CD.

Um rock mais parado, mas ainda com guitarras distorcidas, é “Tão Certo”, faixa com jeito de segundo álbum dos Strokes, “Room On Fire”, de 2003. Da mesma forma acontece em “Melhor Nem Vir”. “Lugar Qualquer”, “Seja Até o Fim” e “Leve Demais” completam o disco sem trazer muitas novidades.

Para quem ainda gosta de comprar CDs em lojas, costume fora de moda que eu adoto, ponto positivo para o encarte do disco muito bem feito, com cara de álbum gringo. Não perca também o site oficial deles que até já ganhou prêmio da MTV em um Vídeo Music Brasil (VMB) de 2006 (www.moptop.com.br).


Músicas do disco “Moptop”

1. Uma Chance – 3:59
2. Paris – 3:47
3. O Rock Acabou – 3:17
4. Ninguem Pra Te Esquecer – 3:34
5. Bem Melhor – 2:58
6. Moonrock – 3:54
7. Sempre Igual – 2:33
8. Tão Certo – 3:44
9. Melhor Nem Vir – 3:07
10. Lugar Qualquer – 3:42
11. Seja Até O Fim – 3:32
12. Leve Demais – 3:28

Um comentário:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Destaques

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...